terça-feira, 12 de julho de 2016

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Se escrevo muitas vezes a palavra ave é porque a palavra terra tem um coração puro,
e a palavra céu é um punho erguido à liberdade.


mariagomes

terça-feira, 7 de junho de 2016


Mamã,
Já não conto estrelas no desvão do mar.
Os meus olhos flutuam como manhãs de inverno.
Os meus olhos brilham, cegos.
E as aves levam-nos para longe,
para além da península de outras águas
onde os jardins e o lume dão flor.


mariagomes

domingo, 22 de maio de 2016



Em que solo, pátria ou amanhecer caíram as aves?
Onde a nupcial manhã nasceu sem flores?
Que mãos sentiram o pólen arder?
As minhas, as tuas...


mariagomes

quarta-feira, 18 de maio de 2016


Há barcos nessoutro céu encoberto pelo estio
Há estrelas e espelhos negros
que flutuam como náufragos em
mar de incêndio...
...Ondas que rebentam ante a espúria de um tempo clandestino

É escura a noite
e Maio é de uma candura...

mariagomes